• Juste Imóveis

Qual o lugar mais seguro para morar?


Crédito: Unsplash

Segurança é certamente um item de peso na hora de escolher um lugar para se viver. Em busca de proteção, condomínios e associações muradas ganham preferência nas pesquisas. Para que você não caia na armadilha da “falsa sensação de segurança”, o Blog Juste Imóveis traz dicas de Diego Coloma, Consultor Internacional de Segurança Militar Privada, que atua em Indaiatuba como gestor na empresa de segurança ATENTO e é também Instrutor da PM.


“O muro ou cerca ou grade são obsoletos se não houver proteção nos mesmos. Luzes de presença, alarmes, câmeras e sensores diversos fazem deles obstáculos íntegros e fortificados. Mas, devem ter uma manutenção técnica regular e que funcione 24h”, alerta o profissional, salientando a importância de se atrelar o serviço humano com a tecnologia.

Além da preocupação com o serviço de segurança contratado, Diego destaca a necessidade da atuação dos próprios moradores. “Tendo uma segurança eficiente e eficaz, os protocolos de acesso devem ser rigorosamente respeitados por todos os moradores. Na maioria dos casos, o comodismo e a negligência dos mesmos são que escalam os riscos de acontecerem conflitos e crimes”, lembra, apontando exemplos de situações nos quais o próprio morador se coloca em risco, sem perceber: “eles possuem o direito de receber serviços, entregas e visitantes. Porém, o dever de informar e cooperar com o controle de acesso provendo o máximo de dados é prioridade”.


Para Diego, na segurança, o preventivo é ainda mais importante do que uma emergência grave: “Isso torna todo o operacional eficiente e evita diversas falhas e fraudes, diminuindo riscos e possíveis ameaças. Além disso, as vulnerabilidades não estão somente em uma invasão. Estão no terreno e nas estruturas, e também nos erros dos moradores, visitantes e colaboradores”.


Por isso, o gestor listou 5 cuidados em segurança que se deve ter na hora de escolher um condomínio ou uma associação para viver. Acompanhe:


1. Conheça as Regras


“Antes de comprar leia o estatuto e as regras para se certificar que não há divergências no estilo de vida e nos costumes. Saiba tudo que é proibido”. 

2. Prefira os interfones


“Confirme se há interfonia entre guarita e residências para contatos íntegros. O uso de telefone fixo, celular, aplicativos de mensagem instantânea como whastapp têm se mostrado cômodo em muitas portarias, mas representam um risco enorme de segurança”.

3. Cuidado com os animais peçonhentos

“Se houver APPs (Áreas de Preservação Ambiental) como matas, lagos e rios verifique qual vida selvagem habita a região e se há animais e insetos peçonhentos. Observe se jardins e lixeiras estão em ordem e se há controle com inseticidas ou formas naturais como o caso de galinhas d'angolas que comem carrapatos, aranhas e escorpiões”

4. Prefira monitoramento eletrônico e humano

“Dê preferência a condomínios e associações com monitoramento eletrônico e humano simultâneos. O perímetro deve ser integro desde a portaria, passando pela guarita e interior, mas as divisas com cercas, muros ou grades precisam de proteção com luzes de emergência e alarme. Somente muros ou cercas apresentam vulnerabilidades e falsa sensação de proteção”. 

5. Conheça a vizinhança

“Seja proativo com a diretoria em assembleias. Observe os procedimentos e esteja sempre atento ao incomum: pessoas ou atividades suspeitas devem ser comunicadas à guarita para que seja esclarecido ou investigado”.

Seguindo essa mesma linha de raciocínio, a Secretaria de Segurança Pública de Indaiatuba, com apoio do CONSEG (Conselho Comunitário de Segurança de Indaiatuba) e das Polícias Civil e Militar, desenvolve em 30 bairros da cidade o Projeto Vizinhança Solidária, que consiste na aproximação dos vizinhos, para que, em conjunto, monitorem o cotidiano do bairro, ficando alertas para qualquer situação suspeita.


A ação tem promovido a redução nos índices de criminalidade nos bairros que já aderiram ao programa, além de auxiliar as Forças de Segurança Pública no combate à criminalidade.


Indaiatuba é segura?


Se você está procurando uma cidade segura e próspera para morar, provavelmente já colocou Indaiatuba na lista de opções. Além de ser apontada por diversos anos seguidos como uma das melhores cidades para se viver pelo Índice Firjan, recentemente o município ganhou destaque no que se refere ao Alto Grau de Satisfação em Qualidade de Vida, segundo pesquisa da Indsat. Dentre os itens analisados, a Segurança Pública do município ficou no topo do ranking na RMC (Região Metropolitana de Campinas).


Mas, como não é apenas a “sensação de segurança” que conta, os números ajudam nessa percepção. De janeiro a setembro de 2017, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo apontou que Indaiatuba obteve uma redução de 50% em homicídios; os furtos diminuíram 4,56%; também teve redução de 26,82% nas ocorrências de roubos e menos 32,88% em furtos e roubos de veículos. Com esses dados, ela ficou em segundo lugar na RMC com os menores índices de criminalidade.


De acordo com o secretário de Segurança Pública, Alexandre Guedes, a cidade é exemplo de segurança porque busca constantemente ações de modernização e estratégias para combater a criminalidade. “O trabalho da nossa Guarda Civil tem sido coordenado com as ações das polícias Militar e Civil. Trabalhamos com tecnologia, inteligência e integração das forças tanto aqui da cidade como da região. A Crim (Central Regional de Inteligência e Monitoramento) foi criada em Indaiatuba e hoje possui 19 cidades interligadas em um cinturão de tecnologia e Inteligência, a serviço da Segurança Pública e é hoje uma referência no Brasil”, explica.


Quer receber mais notícias sobre Indaiatuba e o seu mercado imobiliário? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.

Desenvolvido por Mídia.Crawl © 2018.